Prédio Novo

  O Instituto de Química conta com dois Programas de Pós-Graduação de conceitos 5 e 6 (CAPES), Mestrado e Doutorado, ou seja, estamos dentro da seleta classe de programas de pós-graduação considerados de alto nível. O novo prédio do Instituto de Química (www.uff.br/quimica), com entrega prevista para o 1º semestre de 2015 conta com aproximadamente 16.000m² de área total e está sendo construído com recursos oriundos do MEC e da Petrobras (convênio 0050.0064027.10.9). Dada sua localização privilegiada aliada às atividades de pesquisa desenvolvidas na Unidade, este empreendimento está sendo construído em obediência a legislação atual do País no que concerne a segurança, meio ambiente e saúde. A edificação é dotada de um sistema de reuso de águas de condensadores e pluviais, uma unidade de tratamento de efluentes (ETE) e lavadores de gases, o que possibilita a emissão de efluentes dentro dos padrões estabelecidos pelo CONAMA. Além disso, conta com áreas de uso comum contendo utilidades, tais como, central de ar condicionado, central de águas, central de vácuo, central de ar comprimido, central elétrica e sistema de prevenção de incêndio. Tais utilidades, bem como, a central de gases irá atender ao módulo de pesquisa constituído de 55 laboratórios distribuídos em 3 andares, conforme demonstrado nas plantas anexas. Em tais laboratórios são desenvolvidas diferentes linhas de pesquisa que visam atender as demandas tecnológicas da sociedade. Este projeto tem como objetivo a implantação de uma rede de distribuição de gases especiais para alimentação dos equipamentos de médio e grande porte instalados nos laboratórios de pesquisa dos usuários, no novo prédio do Instituto de Química, que terá papel fundamental no desenvolvimento das pesquisas realizadas pelos projetos envolvidos, listados no item de qualificações dos programas de pós-graduação.

   O Instituto de Química vem adquirindo equipamentos de grande e médio porte, através de recursos financeiros obtidos via diferentes editais, a saber: Edital MCT/FINEP/CT-INFRA-PRO-INFRA 2004, com o projeto “Núcleo de Caracterização de Materiais”; MCT/FINEP/CT-INFRA-PRO-INFRA 2006 com o sub-projeto “Rede Central Analítica da Química”, e 2007 com o sub-projeto “Apoio a Infra-estrutura da Rede Central Analítica da Química”. Ainda no ano de 2006 submeteu também à FINEP o projeto Laboratório de RMN (Ressonância Magnética Nuclear) – Multiusuários da UFF (LAREMN-UFF) – Chamada Pública – FINEP – Ação Transversal 4/2006 – Aquisição de Equipamentos de Grande Porte-Multiusuários, para a aquisição de um equipamento de RMN de 500MHz. Com a verba recebida foi implementado o Laboratório Multiusuários LAREMN-UFF (www.uff.br/laremn). Além da aquisição destes diversos equipamentos multiusuários, que atendem não somente a esta Unidade, como também a outros Institutos da UFF e as diferentes Instituições parceiras na região metropolitana do Rio de Janeiro, através de projetos submetidos por diversos docentes do IQ, individualmente ou em colaboração, foram adquiridos equipamentos de menor porte para a Rede. Estes últimos anos foram assim um período de ampliação substantiva, qualitativa e quantitativa, da infra-estrutura analítica do IQ-UFF. Paralelamente, neste período ocorreu aumento substancial do número de professores/pesquisadores do quadro permanente do Instituto. O Instituto de Química da UFF hoje possui um corpo docente permanente de alta capacitação. A infra-estrutura analítica de grande potencial e o quadro de docentes/pesquisadores altamente qualificados nos colocam entre as melhores Instituições Públicas de Ensino e Pesquisa em Química no Brasil. A aquisição destes equipamentos e a implantação da Rede certamente tornou esta Unidade uma das mais produtivas da UFF. Por outro lado, aumentou a demanda não apenas pela ampliação do espaço físico, como também pela infra-estrutura adequada para instalação e manutenção de suas vidas úteis. Como contrapartida a UFF, em parceria com o REUNI/MEC e PETROBRAS, concebeu e desenvolveu um projeto de edificação do novo prédio do Instituto de Química com a ocupação, prioritariamente, de laboratórios de pesquisa. Respeitando as decisões do estudo preliminar, balizadas pela proximidade à Ilha de Boa Viagem, adotou-se uma volumetria escalonada, utilizando modulação estrutural, revestimento externo moderno e princípios de sustentabilidade e eco-eficiência sob os seguintes aspectos: reaproveitamento e captação da água da chuva; economia energética; conforto térmico, acústico e luminoso dos ambientes; ventilação natural do sistema construtivo e dos materiais empregados; uso de telhado verde; consumo racional de água. Assim, todos os laboratórios de pesquisa que o compõe são constituídos de módulos contendo capelas de exaustão com lavadores de gases, reuso de água dos condensadores, reaproveitamento de águas pluviais, pias distintas para descarte de água de lavagem de material, tratamento de efluentes, bancadas e pisos adequados para execução das atividades laboratoriais, respeitando os requisitos padrões de integração do meio ambiente no sistema de gestão em saúde e segurança das empresas.